Capitalismo - golpe fatal no Leste Europeu

A restauração do capitalismo causou um drástico retrocesso nos países do Leste Europeu, incluindo os da ex-União Soviética, tanto economicamente quanto socialmente. Um relatório das Nações Unidas diz:

"Que a transição de uma economia planificada para uma economia de mercado foi acompanhada por uma alarmante mudança no bem-estar e na distribuição de riquezas das nações. Dados apontam que as mudanças resultantes nunca aconteceram tão rapidamente na história. Essas mudanças dramáticas resultaram em grandes perdas humanas."

(1) UNDP - Report for Development of Humanity - 1999. pp 39-79


Aqui estão alguns exemplos:

- 76% da população da ex-Alemanha Oriental disse que o socialismo foi positivo para eles;

- Numa pesquisa de opinião em 1999 na Romênia, 64% preferiam a vida sob o socialismo;

- Todos os entrevistados disseram que os países do Leste Europeu agora se tornarão países de Terceiro Mundo;

- Uma em cada 10 pessoas de países anteriormente socialistas sofre de déficit alimentar. Na Rússia, uma em cada dez pessoas sofre de subnutrição;

- Pela primeira vez nos últimos 50 anos o problema do analfabetismo ressurgiu;

- Hoje a tuberculose nos países anteriormente socialistas tem índices semelhantes aos dos países do Terceiro Mundo;

- Na Rússia os casos de sífilis em 1998 foi 40 vezes maior do que em 1990;

- A expectativa de vida masculina na Rússia caiu de 63,8 para 57,7 anos entre 1992 e 1994. Na Ucrânia caiu de 65,7 para 62,3;

- Desde 1992 o número de alcoólatras na Rússia dobrou;

- Agora na Rússia 60 em cada 100 grávidas abortam, e como consequência 6 milhões de mulheres ficam estéreis;

- Na Polônia o número de suicídios subiu até 25%. Em algumas repúblicas ex-Soviéticas este índice quase dobrou;

- A criminalidade na Bulgária quadruplicou em relação a 1989. Na Hungria e na República Tcheca ela triplicou.

- As mortes na Polônia subiram aproximadamente 60%, enquanto que em outros países ex-soviéticos este índice subiu até 250%.


De acordo com estes dados das Nações Unidas, nos primeiros cinco anos de transição do socialismo para o capitalismo a taxa de mortalidade subiu drasticamente para 5.000.000 de pessoas, que além de terem morrido precocemente durante este trágico período, em muitos casos ainda sofreram mortes cruéis.


Por Michael Opperskalski
Publicado na Revista Northstar Compass, Maio de 2010
Tradução de Glauber Ataide


5 comentários:

  Adailton Vidal

3 de novembro de 2014 15:04

Provavelmente muitos dos números apresentados aqui estão torcidos ou quando se vai ver de perto "não e bem assim". Eu sempre percebi que as condições de vida nos países socialistas tinham um padrão bem inferior aos capitalistas.
O capitalismo é injusto e cruel muitas vezes realmente, mas o socialismo gera atraso a longo prazo porque as pessoas não se esmeram por resultados como assim como servidores públicos (eu sou um).
A Rússia não era atrazada assim no início do séc XX

  Adailton Vidal

3 de novembro de 2014 15:05

Provavelmente muitos dos números apresentados aqui estão torcidos ou quando se vai ver de perto "não e bem assim". Eu sempre percebi que as condições de vida nos países socialistas tinham um padrão bem inferior aos capitalistas.
O capitalismo é injusto e cruel muitas vezes realmente, mas o socialismo gera atraso a longo prazo porque as pessoas não se esmeram por resultados como assim como servidores públicos (eu sou um).
A Rússia não era atrazada assim no início do séc XX

  John Rodrigues

16 de outubro de 2016 22:57

Na moral, o chato desse site são as fontes quase inexistentes...

  John Rodrigues

16 de outubro de 2016 23:00

Esta matéria me decepcionou, não consegui achar os dados citados em nenhuma outra fonte - a não ser em outros sites de esquerda.

  Glauber Ataide

22 de outubro de 2016 18:25

A fonte está citada ao final da matéria. Procure a revista.