Socialismo para os ricos e capitalismo para os pobres

Foi com estes termos que ninguém menos que o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, definiu a política estadunidense de socorrer os bancos durante a crise. Em uma entrevista ao programa de televisão "The Daily Show", Biden reconheceu que as medidas que retiraram trilhões de dólares dos cofres públicos para injetar nos bancos foram necessárias para evitar o colapso do sistema financeiro: "Porque se nós não os tivéssemos socorrido, estaríamos numa posição em que haveria não apenas uma recessão, mas literalmente uma depressão". E se lembrou de uma "grande expressão" que era muito utilizada por seu avô: "É socialismo para os ricos e capitalismo para os pobres."

E os números corroboram a justeza da análise de Biden: apesar da euforia de alguns economistas que falam sobre uma suposta recuperação da economia estadunidense, se baseando apenas na revalorização das ações e dos lucros obtidos pelos bancos, os EUA devem fechar o ano de 2010 com a taxa de desemprego na casa dos 10%. Antes da crise este percentual estava abaixo de 5%.

Durante a crise as perdas foram socializadas. Mas agora, no período de recuperação, os lucros são novamente privatizados, e uma enorme massa de desempregados ainda não consegue se realocar no mercado de trabalho. E como se não bastasse, grande parte desses desempregados também aparece nas estatísticas de despejos que, segundo especialistas, deve gerar até o final de 2010 mais de 1 milhão de novos sem-teto. Os ricos se recuperam (às custas do estado), mas os trabalhadores não. Socialismo para os ricos, capitalismo para os pobres.

(O vídeo da entrevista de Biden está disponível aqui.)

0 comentários: