Jair Bolsonaro e Hitler


35 comentários:

  Carlos Oliveira

3 de junho de 2015 20:35

Hitler era nacional SOCIALISTA

  Glauber Ataide

4 de junho de 2015 12:24

Cara, como você é burro...

  Allan Diêgo

24 de setembro de 2015 02:43

Este comentário foi removido pelo autor.
  Allan Diêgo

24 de setembro de 2015 02:50

Exato!

  M S E U S

28 de setembro de 2015 19:40

Hitler usava falácias,raciais!!

  Omega Kai Tv

6 de novembro de 2015 01:23

Hitler era SOCIALISTA!
Hitler MATOU MILHÕES!
Hitler era RACISTA,HOMOFÓBICO e TUDO DE MAIS QUE EXISTE DE PRECONCEITO!
Pega uma pala do Jair conversando com o Clodovil pra você ver o respeito que ele tem por ele!

  Glauber Ataide

6 de novembro de 2015 16:41

Omega, vai jogar videogame e deixa a política para os adultos.

  Omega Kai Tv

6 de novembro de 2015 20:27

Glauber Ataide , não é o sr que vai governar o pais!!!E sim eu e pessoas da minha idade, somos a geração nova, já sou politico todo mundo é, desde que uma pessoa tem capacidade de pensar ela usa politica, politica é pra todos , se não sabe disso , volta pro colégio , porque sei do que estou falando , já você eu vi que não falou nada coerente!Tenho experiencia , e provavelmente to lançando minha candidatura na minha cidade!
Sou centro-direita caso tenha curiosidade de saber minha opção partidária.

  Saulo Netto

27 de novembro de 2015 01:43

puta merda como é burro o próprio hitler disse ´´sou marxista em toda minha essência``.

  Glauber Ataide

28 de novembro de 2015 14:44

Saulo, eu costumo apagar comentários idiotas mas farei uma exceção para o seu. Deixarei aí para sua vergonha na internet.

  Rafael Laurindo

2 de janeiro de 2016 09:20

Defina extrema direita.

  César Studio

15 de janeiro de 2016 16:10

Quando achei o primeiro nem procurei os outros, bolsonaro não é comparado a hitler, esse é o erro

  Anderson Marques

17 de janeiro de 2016 16:22

O Companheiro já ouviu falar em Nacional Socialismo?
Pois é, esse é o significado de Nazismo, e como não existe socialismo de direita, é impossível Hitler ser de extrema direita, até porque nos primórdios do nazismo, no tempo que Hitler era só um soldado estrangeiro que revesava entre o exercito e o partido dos trabalhadores, ele admirava Marx, e mais adiante, já no partido nazista, a única bronca que ele tinha com Marx, e o principal motivo dele ter instituído no nazismo algumas diferenças ao Socialismo marxista é o fato de Karl Marx ser descendente de judeus, preconceito o qual atualmente é encontrado nos marxistas, já que todo esquerdista atual é anti-judeu e pró-islã.

  Glauber Ataide

17 de janeiro de 2016 19:05

Anderson, a intenção dos nazistas ao criar o termo "nacional-socialismo" foi enganar trouxas, e isso funcionou com você. "Nacional" e "socialismo" são termos antagônicos. Até aqueles que pararam seus estudos de marxismo no "Manifesto do Partido Comunista" sabem disso. Você faz pose de entendido sem na verdade saber de nada do que está falando. No seu pequeno mundinho reacionário não existiu algo como a segunda guerra mundial; você não sabe do que trata a obra "Mein Kampf", de Hitler; você não sabe quem realmente derrotou os nazistas. Você mesmo diz que Marx era judeu mas ao mesmo tempo afirma que os marxistas hoje são "anti-judeu". Olha que coisa mais idiota de se dizer.

  Giácomo

10 de maio de 2016 21:07

Olá, só gostaria de esclarecer que Adolf Hitler fazia parte do partido nacional socialista alemão (Deutsch NS- Partei) de onde se origina: NAZI dai o nome nazista, e não de direita, ou seja Hitler era comunista e jamais de direita. Ah e viva Bolsonaro.

  Rafael Laurindo

11 de maio de 2016 19:29

O argumento correto não é por causa do aspecto semântico da definição de nazismo, sento Partido Nacional Socialista, mas sim pela organização social e política do estado. O regime Nazista era absolutista e centralizador. Sob este conceito não se pode falar em capitalismo e consequentemente direita política, sendo este um novo conceito de direita (o qual estamos acostumados a lidar), pois o primeiro conceito era de se manter o status quo. A organização política era justamente contrária a da atual direita, os defensores do "ancien régime" (antigo regime) sentavam-se a direita do monarca e defendiam o modelo antigo (1º, 2º e 3º estado), o qual, na prática, era um governo tirano, coletor de altos impostos, mas que nada fazia para o 2º e 3º estado, apenas os oprimia e vivia de todo o luxo que os impostos podiam pagar. Essa é a antiga direita. A antiga esquerda, ao contrário da atual, lutou pela liberdade, e pela mudança do status quo, separando igreja de estado, acabando com o 1º, 2º e 3º estado, dentre outras coisas, ou seja, lutaram por menos estado, por um estado menos interventor.
Uma vez que não existe capitalismo sem livre mercado, e não se pode falar em livre mercado com um estado altamente interventor, concessor de monopólios ou, mesmo, detentor dos meios de produção que coleta impostos abusivos por meio da coerção arbitrária e violenta, alguém tem dúvida de que o estado regido pelo nazismo era socialista? Ou socialismo já não tem mais a característica da coleta de impostos (sendo alta ou não, que por si só é abusiva) para promover a "justiça social"?
Se quiserem confundir nazismo como conservadorismo, sob o aspecto do modelo familiar, dentre outros que geralmente são ligados a religião, tudo bem, mas de direita política é uma desonestidade intelectual, ou uma ignorância, absurda.

  Bruno Mélo

14 de maio de 2016 14:28

Achei a grande diferença que até cego vê: Bolsonaro é de direita, já Hitler é de esquerda, do Partido Nacional Socialista do Trabalhadores alemãs!! A moeda nazista tem impressa a foice e o martelo marxista, junto da sua suástica abaixo. Contra fatos não há argumentos, apenas a cegueira a esquerda.

  Glauber Ataide

14 de maio de 2016 15:15

Como explicar um itinerário a uma pessoa que não sabe diferenciar esquerda e direita? Essa mesma impossibilidade se reproduz na discussão política quando o indivíduo é incapaz de dizer o que é esquerda e direita. Dizer que Hitler é de esquerda é de uma ignorância sem tamanho.

  Unknown

17 de maio de 2016 18:04

Este comentário foi removido pelo autor.
  gordo comedor de cocotas

14 de julho de 2016 13:24

Hitler era marxista, pregava discursos socialista.
Vejo gente falando que Jair bolsonaro é chupador dos judeus e depois é nazista! A vai se fude, bando de esquerdista demente!

  Unknown

24 de julho de 2016 12:10

Seu doente Hitler não era racista os negros são puros ele só odiava judeus pq são mestiços

  Unknown

23 de agosto de 2016 14:22

Hitler só subiu ao poder graças a empresas privadas como Bayer, Wolswaguen e Coca-Cola e esquerda comunista é contra qualquer tipo de empresa privada. Ele achava a raça ariana superior a todas as outras, sendo que a esquerda prega a igualdade de raças. O maior aliado dele foi Mussolini, fascista de direita. Comp falar que ele é de esquerda. Partido Socialista foi uma maneira de atrair o povo, enganalos e pelo jeito Hitler engana gente ate hoje.

  Rafael

23 de agosto de 2016 17:07

É por aí, não devemos nos ater à semântica pura, mas, uma de suas orações foi contraditória: "ele (Hitler) era aliado ao Benito Mussolini, fascista de direita.". Cara, entenda, não confunda conservadorismo a direitismo. O regime fascista era totalitário, relembre a famosa frase do Mussolini que era "tudo pelo estado, nada contra o estado.". Um regime onde o estado controla tudo é um regime de esquerda no espectro político, não de direita. Já foi de direita, mas o valor semântico de direita mudou com o tempo. Eu não gosto muito disso, mas enfim... Você está confundindo correlação com relação de causalidade. Existe uma correlação entre direita e conservadorismo, mas não uma relação de causalidade, isto é, se é de direita então é conservador. Essa proposição é equivocada.

E, outra, atribuir caráter à espectro político, como atribuir tendência política a Hitler muito bobo e infantil, porque mesmo que ele fosse de direita, não significa que ser de direita é ser como o Hitler. Novamente, correlação x causalidade.

  Glauber Ataide

23 de agosto de 2016 22:25

A acepção mais comum de "conservador" é aquele que busca manter o status quo, as atuais relações econômicas, de poder e de exploração. Este é, não por coincidência, o mesmo projeto político da direita. Não faz sentido dizer "conservador de esquerda", a não ser que se desfigure completamente o sentido de "conservador". E sobre a questão do estado, Marx e Engels definiam o comunismo como uma sociedade sem estado. Este seria necessário apenas no socialismo, em um período de transição, com funções específicas para conduzir ao comunismo. Logo, não se pode associar automaticamente "esquerda" com "estado".

E, no mais, toda tentativa de se livrar da companhia incômoda de Hitler no campo da direita é malfadada e se equilibra sobre argumentos muito frágeis. Mussolini e Hitler buscavam estados fortes não porque tinham posições políticas de esquerda, mas sim porque precisam salvar o sistema capitalista, e esta era a única solução para as crises do início do século XX. Não foi casualidade Keynes ter desenvolvido seu pensamento no mesmo período.

  Rafael

24 de agosto de 2016 15:23

Glauber, como não se pode associar esquerda ao Estado se para conseguir o que a esquerda quer necessita-se coerção na maioria das vezes, como, por exemplo, através de impostos para se financiar projetos sociais? Ou a esquerda deseja uma revolução através de ONGs e contribuições voluntárias?

Segundo, conservadorismo não é apenas um atributo da direita, mas da esquerda, também. Os revolucionários de esquerda podem sê-lo somente em um dos campos, como, por exemplo, na política, mas não na economia.

Mas concordo com você, existe uma tentativa de se livrar do Hitler de seus espectros de convicções políticas, o que, como disse antes, é bobo. Hitler era brilhante, mas usou seu brilhantismo puramente para o mal. Mas ele tinha um propósito: salvar a Alemanha. Alguém pode dizer que o seu propósito não era justo? Mas, e o preço para tal feito?
Vê-se, que propósitos justos são subjetivos e estão sujeitos a julgamentos baseados no entendimento das pessoas que farão tal julgamento.

Se os bens e serviços não fossem escassos talvez Hitler não faria, pois não precisaria, o que fez. E isso me parece com o status quo da esquerda. Acreditar que os bens e serviços são infinitos e se absolutamente todos não têm acesso é porque alguém está sendo egoísta demais. Então, Estadão neles.

  Glauber Ataide

25 de agosto de 2016 13:41

Rafael, eu não disse que não se pode associar esquerda ao estado. O que eu disse é que esta associação não é necessária e nem exclusiva, pois o comunismo é de esquerda e prevê a extinção do estado, assim como o anarquismo, que também se localiza no campo da esquerda.

E o que seria um revolucionário de esquerda "conservador na política"? Não tenho ideia do que você quer dizer com isso.

  Rafael

25 de agosto de 2016 19:18

Se você estiver se referindo à esquerda do Ancien Régime, sim, até dá para associar anarquismo à esquerda, caso contrário, não dá para relacionar nem à direita, logo, tampouco à esquerda, já que direita não significa, necessariamente, menos estado. 1964 retrata isso muito bem.

Ser de esquerda é ser naturalmente revolucionário, já que sempre irá contra o status quo que diz respeito à pobreza das minorias, mesmo sendo pagadores de impostos, enquanto o alto escalão do estado se esbalda com o que arrecadaram coercitivamente, e coisas do tipo. Pelo menos era assim. Se a economia estivesse boa para todo mundo os esquerdistas seriam um bando de rebeldes sem causa. Lutar pelo quê, afinal?!

Por último, Economia e Política não são exatamente a mesma coisa. Um esquerdista pode ser contra o casamento gay, por exemplo, mas a favor da ampliação de projetos sociais.

  Glauber Ataide

27 de agosto de 2016 14:50

Você afirmou que "ser de esquerda é ser naturalmente revolucionário", mas isso é incorreto. A social democracia é de esquerda mas não é revolucionária. O trabalhismo é de esquerda mas não é revolucionário. Existe a esquerda chamada "reformista", e na verdade ela é muito maior, tanto numericamente quanto em influência, do que a esquerda revolucionária. Quanto ao exemplo do casamento gay, não diria que isso é um exemplo de conservadorismo político, mas sim de conservadorismo moral. E o anarquismo é claramente de esquerda. Não faz sentido tentar classificá-lo como "nada", como se não estivesse localizado em nenhum espectro do cenário político. Anarquismo é esquerda.

  Rafael

28 de agosto de 2016 05:07

Eu não consigo enxergar dessa forma. Direita e esquerda é posição ideológica quanto a extensão do poder estatal, basicamente. Se não houver um estado centralizador das leis, o qual possui poder coercitivo suficiente para fazer o que bem entender, como vemos hoje, como conceber a ideia de um espectro político?

  Aranha Humana

18 de setembro de 2016 22:34

Este comentário foi removido pelo autor.
  Unknown

2 de novembro de 2016 22:51

Este comentário foi removido pelo autor.
  Matheus F

10 de dezembro de 2016 04:13

hitler se aliou ao comunismo no inicio da guerra
hitler fundou o partido nacional socialista dos trabalhadores alemaes
hitler matou milhoes
hitler era racista e homofobico como che guevara e stalin
bolsonaro nao tem odio aos gays nem negros e nunca se aliaria aos esquerdas
os nazistas aprenderam com os comunistas como exterminar os judeus(inclusive enviavam judeus p alemanha p os alemaes fazerem o trabalho sujo)
enfim, so vejo disparidades, só pesquisar e estudar mais um pouco pq stalin e hitler sim tinham muito em comum, ambos ditadores crueis

  Picaretada no Trotsky

20 de dezembro de 2016 18:39

"O Bolsonaro não é nazista porque ele apoia o Estado de Israel."
É verdade. Ele não é nazista. Esta afirmação é uma tolice. Ademais, o Bolsonaro também não é fascista. Ele não tem estrutura para suportar o peso e as habilidades da TTP. Ele é pior do que tudo isto: é um sionista, entreguista e patriota da pior espécie. Ele não pensaria duas vezes antes de vender o Brasil ao estrangeiro só para admirar "seu país" institucionalizado. Não é um nacionalista que deseja resguardar os valores da nação, ou que planeja exercer um papel soberano na geopolítica internacional. Não, não... O Brasil, para ele, começa e termina na institucionalização.
É o ícone da criançada que adora um nacionalismo tortuoso (vulgo "entreguismo"), um sionismo -- uma baita ideologia racista --, e uma opressão mais falsa que seu título de "fascista"

*Só salientando o pensamento, o sionismo e o nazismo operam pragmaticamente da mesma forma violenta. O sionismo é o nazismo dos judeus. Este excremento representa a brutalidade, o desprezo pelos seres humanos. Constitui, por fim, o atroz cenário apocalíptico de quem sobrevive em meio à ascendência cada vez mais desumana deste ninho de demônios que chamamos de "Israel"*
 Se a metade das pessoas que defende a autodeterminação dos judeus tivesse ciência do grau das atrocidades realizadas pelo Estado terrorista de Israel a nível de cenário mundial (mas em especial às regiões próximas, obviamente), a outra metade não existiria mais.
Por quê? Porque é impossível apoiar o sionismo, que destrói lares de famílias inocentes para a expansão territorial de um povo genocida, que financia, em especial, um grupo extremista islâmico.

Aliás, Um cristão que defende Israel é análogo àquele empregado que lambe o pé do patrão que o maltrata. Até o protestantismo é historicamente antissionista. Lutero mesmo falou severamente contra os judeus. O sionismo adentrou o meio protestante por figuras financiadas pelo sionismo a partir da segunda metade do século XIX, com a falsa teologia de que os judeus permanecem como eleitos, que o Estado de Israel é privilegiado e que inclusive estão automaticamente salvos mesmo que neguem a Cristo. Esse alinhamento político com Israel é fruto do neo pentecostalíssimo e da teologia da prosperidade.

  Universo Interativo

21 de fevereiro de 2017 22:44

O sem estudo, burro e acéfalo ! Hitler era socialista, vai estudar antes de postar merda.

  weslley o(0_0)o

24 de março de 2017 19:05

Hitler era de esquerda, disse que era de esquerda, a história mostra que era socialista, usava termos socialistas durante quase todo seu governo (exceto inicialmente, quando aliou-se aos partidos de direita). Chegou ao poder e usou-se de ideais socialistas/marxistas. Pelo que estudei foi isso.