Queda do socialismo no leste europeu: privatizações mataram 1 milhão de pessoas

Com a queda do socialismo no Leste Europeu e a "terapia de choque" rumo a uma "economia de mercado", nos moldes da cartilha neoliberal, cerca de 1 milhão de pessoas em idade produtiva (entre 15 e 59 anos) foram mortas. Estes dados são resultado desta pesquisa publicada no jornal The Lancet, da Universidade de Oxford, em 2009.

O programa de rápida privatização levou a um aumento de 56% da taxa de desemprego nos antigos países socialistas, os quais também passaram pela pior taxa de mortalidade dos 50 anos anteriores à década de 1990, com mais de 3 milhões de mortes evitáveis e 10 milhões de homens "desaparecidos", segundo a ONU.

Estas informações são criminalmente omitidas pela burguesia e sua imprensa, que prometeu o céu e entregou o inferno a esses países. A sedução de um paraíso de gadgets e outras mercadorias inúteis oferecidas pelo capitalismo, além de não ter se efetivado no Leste Europeu, requereu ainda um alto custo humano. Mais de 20 anos após a queda do socialismo, o que se verifica na região é o aumento da disparidade econômica com o restante da Europa, e não a prometida aproximação.

Segundo esta reportagem do Financial Post, o Leste Europeu tem enfrentado nos últimos anos um grande êxodo de sua população, sendo o gap econômico entre a região e o restante da Europa uma de suas principais causas. A Hungria, por exemplo, tinha uma população de 10,4 milhões de pessoas em 1989. Mais de 20 anos depois, já em 2012, tinha menos de 10 milhões.

4 comentários:

  Henrique Cardoso

21 de janeiro de 2015 23:38

Este comentário foi removido por um administrador do blog.
  gabajunior

19 de junho de 2016 12:26

Vc nao fala quanto os "presidentes" dessa região mataram para censurar outras ideias,ja que o socialismo e tao bom pq fizeram isso?Segundo:Onde estao os dados de quantidade de filhos que as mulheres estao querendo ter,no mundo inteiro a população esta caind.Terceiro:oque ocorreu aí foi um atraso em relacao aos outros países,Se adotasem um sistema mais econômicamente aberto,sem restrições do Estado ja estariam bem melhor.Quem esta escondendo os dados aqi é vc,nao colocou quantos fujiao do leste para ocidente em busca de uma vida melhor,O IDH do ocidente em relacao a à eles.Vc acredita em uma sistema fracassado e que nao da certo e que so leva ao retrocesso...

  Marcos

26 de agosto de 2017 12:39

Gramscismo puro.

Tem a história do cara que estava treinando seu cavalo para viver sem comida. A cada semana, ele diminuía a quantidade de ração para o cavalo se acostumar; com a menor quantidade, até chegar ao ponto em que ele se acostumaria a viver sem comida alguma. O experimento estava indo muito bem. Infelizmente, quando estava quase chegando ao fim, o cavalo morreu.

  Glauber Ataide

26 de agosto de 2017 14:50

Quando for incapaz de contra-argumentar, desqualifique a fonte. Se é gramscismo, não preciso responder aos dados concretos da pesquisa da Universidade de Oxford.