Aumentam suicídios na Europa devido à crise do capitalismo

A crise financeira iniciada em meados de 2008 provocou um aumento no número de suicídios de pessoas em idade de trabalho na União Européia (UE), invertendo assim uma tendência à baixa que já vinha por vários anos, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira por The Lancet.

Os estudiosos examinaram índices de mortalidade de 10 países da atual UE.

Seis deles (Áustria, Reino Unido, Finlândia, Grécia, Irlanda e Holanda) já eram membros da União em 2004, e os quatro outros (República Checa, Hungria, Lituânia e Romênia) entraram posteriormente.

Em 2008, os suicídios de pessoas abaixo dos 65 anos nos seis países que já formavam parte da UE aumentou quase 7% em relação a 2007, indica o estudo.

O aumento foi particularmente forte na Grécia (17%) e na Irlanda (13%), duas das economias mais afetadas pela crise.

Isso "está de acordo com estudos históricos que mostram aumentos imediatos nos suicídios, associados com indicadores prévios de crises, como a agitação no setor bancário, que gera subsequente desemprego", dizem os pesquisadores.

Nos quatro países que entraram na UE depois de 2004, o número de suicídios aumentou 1% em 2008, mas a alta se acelerou em 2009, quando as perdas de postos de trabalho se fizeram sentir.

Este ano, o aumento relativo foi superior ao dos países já presentes na UE em 2004, que contam com um sistema de bem-estar social mais desenvolvido.

A taxa de desemprego dos 27 países da UE aumentou 2,6 pontos, ou seja, um aumento relativo de 35% entre 2007 e 2009.

A mortalidade total se manteve estável nos 10 países estudados, o qual é resultado de uma diminuição do número de acidentes de trânsito devido principalmente ao menor uso dos automóveis, como consequência da crise e do desemprego.

Por sua vez, isso resultou numa diminuição do número de órgãos disponíveis para transplantes, provenientes em muitos casos de pessoas que sofreram acidentes de trânsito em países como Irlanda e Espanha, onde houve uma queda de mais de 25% de falecimentos por esta causa.




0 comentários: