Os ricos ficam mais ricos, os pobres são despejados

O abismo entre as classes nos EUA se alargou consideravelmente como resultado da crise econômica.

Para a classe trabalhadora, a vida se tornou incrivelmente difícil. Se você é estudante, você enfrenta aumentos nos custos de educação e precisa pegar mais empréstimos. Se você é trabalhador, você enfrenta cortes nos pagamentos ou nos benefícios ou é demitido - e enfrenta também um mercado de trabalho no qual o número de desempregados excede de longe o número de abertura de vagas.

Se você é um dono de fortunas ou alto chefe executivo neste país, você e seus colegas estão se deleitando com quebras de recordes nos lucros, imensos bônus, taxas mais baixas e, para algumas empresas como a General Electric, absolutamente nenhum imposto.

De acordo com a CNN.com: "Dos quase 14 milhões de pessoas consideradas agora desempregadas, um recorde de 44% está sem emprego por mais de seis meses. Antes da última recessão, esses números nunca tinham alcançado os 24%." Esses números representam pessoas reais com famílias para sustentar e contas a pagar!

Um artigo de 2 de julho no New York Times revelou como altos chefes executivos estão numa situação incrivelmente melhor do que o trabalhador padrão:

"O resultado final mostra que a média salarial de altos executivos em 200 grandes empresas no último ano foi de $10,8 milhões... Isso significa um aumento de 23% em comparação com 2009... E isso não significa que a maioria dos trabalhadores está ganhando aumentos gordos. O trabalhador americano médio estava recebendo $752 dólares por semana (em torno de $36.000 por ano) no final de 2010, um aumento de apenas 0,5% em relação ao ano anterior. Depois da inflação, os trabalhadores estavam ganhando ainda menos... A maioria dos americanos não está tendo aumentos nem próximos daqueles dos grandes executivos. Muitos não estão tendo aumento algum - ou nem mesmo salário. O desemprego ainda perdura na casa dos 9%.

Os lucros elevados das empresas estão enchendo os bolsos dos ricos, os quais pela mera propriedade de capital, terra ou por meio de aluguel podem manter um estilo de vida luxurioso sem nem ao menos trabalhar. Tais proprietários são os menos produtivos em nossa sociedade. São sanguessugas sugando nossas comunidades. Sofreram apenas pequenas perdas durante a crise recente, se sofreu alguma, porque seus fantoches no Congresso e na Casa Branca os salvaram com nossos impostos.

Enquanto as pessoas são despejadas todos os dias neste país, com várias se tornando sem-teto, enquanto mais trabalhadores se encontram desempregados, enquanto mais estudantes enfrentam o dilema de deixar a escola e arrumar um emprego para pagar as taxas e empréstimos que não conseguem arcar, os ricos permanecem seguros e confortáveis com os enormes lucros do que nós produzimos.

É necessário uma mudança neste país, precisamos do socialismo!


Por Jesse Thomson-Burns, tradução de Glauber Ataide para o Diário Liberdade

0 comentários: